4º Feira da Reforma Agrária é realizada em Salvador nesta semana

Entre os dias 14 e 16/6, o MST realiza sua 4° Feira Estadual da Reforma Agrária, na Praça da Piedade, no coração de Salvador. Com a participação de 400 trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra, o evento reúne cerca de 4 toneladas de alimentos produzidos em assentamentos e acampamentos do MST de dez regiões da Bahia. Serão mais de 180 tipos de produtos, como hortaliças, frutas, mudas, sementes e artesanatos.

Para Felipe Campelo, do setor de produção do MST no estado, a Feira será mais um espaço de diálogo com a população de Salvador sobre a luta pela terra, pela Reforma Agrária e por mudanças significativas em toda sociedade. “Precisamos dialogar. Mostrar que os trabalhadores Sem Terra são sujeitos da luta e que a reforma agrária dá certo”, pontua.

“Nossas feiras são espaços de comercialização e de diálogo permanente com a sociedade, a partir daquilo que propormos fazer quando lutamos pela terra. A produção de alimentos saudáveis é consequência de uma luta histórica, que na Bahia já ultrapassa os 30 anos”, explica Campelo.

Como nas últimas edições, a Feira será um espaço de comercialização, mas também, de estudo, formação e palco para grandes atrações culturais. Durante o dia, temas como o atual cenário político brasileiro, a construção de redes produtivas na Bahia e a questão racial estão na programação do evento e para animar as noites, Ilê Aiyê e Ed do Forró já confirmaram presença.

Agroecologia é o caminho

A produção agroecológica ganha destaque nesta edição da Feira. Várias experiências desenvolvidas nos assentamentos e acampamentos do MST em todo estado tem mostrado que é possível produzir, em grande quantidade e qualidade, alimentos livres de veneno, com novas relações de trabalho no campo e em harmonia com a natureza e a sociedade.

Por outro lado, grandes multinacionais têm avançado na produção de monoculturas e o uso de agrotóxicos. Comunidades rurais que vivem entorno das plantações de eucalipto da empresa Suzano Papel e Celulose, localizada no Extremo Sul da Bahia, por exemplo, sofrem com os impactos desse modelo de produção. Desde meados de 2013, a empresa tem realizado chuvas de venenos, através da pulverização aérea, para matar pragas e ervas daninhas.

Segundo dados do Núcleo de Estudos Ambientais e Saúde do Trabalhador da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), 50% dos agrotóxicos de pulverização aérea contaminam o solo e a água diretamente, causando efeitos adversos à saúde humana e ao meio ambiente.

Nesse sentido, a Feira se apresenta enquanto mais um instrumento para denunciar o uso desenfreado de agrotóxicos e impulsionar o debate da agroecologia na sociedade.

 

Fonte: Coletivo de Comunicação do MST na Bahia

Textos Relacionados
Deixe seu recado