Alice Portugal: “Defender a mulher é uma luta permanente”

Atualmente a deputada Alice Portugal é única mulher na bancada da Bahia na Câmara.  As questões da desigualdade de gênero têm sido, nesses quatro mandatos, uma das principais bandeiras da parlamentar. “O dia 8 de março rememora uma tragédia na qual mulheres foram queimadas por policiais por lutarem por melhores condições de trabalho, em 1857.  E  a luta continua até os dias atuais. Apesar de sermos a maioria da população, não somos representadas nos espaços de poder, na Câmara, por exemplo,  somos 513 deputados e apenas 51 mulheres. Na Bahia, dos 39, eu sou a única atualmente”, afirma Alice, que também é secretária estadual de Mulheres do PCdoB.

Os números ainda assustam: o assassinato de mulheres negras aumentou 54% em 10 anos; 12 mulheres são assassinadas por dia no Brasil; mulheres receberam 23,6% a menos do que o homem; ao menos 23 mil idosas sofreram algum tipo de violência. “Por isso, a nossa luta é permanente pela garantia de iguais condições de trabalho, pela ampliação da participação feminina na política e pelo fim da violência”.

Alice chama atenção para a marcha de mulheres que acontece hoje em todo o mundo. Em Salvador, a concentração será na Praça da Piedade, às 13 horas. “É importante a participação de todos e todas, precisamos alertar e conscientizar a população sobre os efeitos do golpe no aprofundamento das desigualdades de gênero. Estamos perdendo direitos duramente conquistados. Vamos ocupar as ruas contra o machismo, a favor da democracia e contra toda forma de opressão.”

Ações em defesa da mulher

Alice Portugal é autora de importantes leis que garantem mais direitos para a mulher: Lei 13.536/2017, que prevê a prorrogação da bolsa para as estudantes que derem à luz, adotarem crianças ou obtiverem a guarda judicial de crianças para fins de adoção; Lei Nº 13.271/2013, que proíbe revista íntima de funcionárias nos locais de trabalho; ajudou a escrever a Lei Maria da Penha e é autora do Projeto de Lei 6653/09, que trata da isonomia salarial entre homens e mulheres, para iguais funções.

 

Fonte: Ascom/ Alice

Textos Relacionados
Deixe seu recado