Dia da Mulher também deve ser Dia Antibolsonaro, diz professor da UFBA

O professor Wilson Gomes, que leciona Política na Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia (Facom/UFBA), usou as redes sociais, nesta quinta-feira (08/03), Dia Internacional da Mulher, para repudiar o tratamento hostil que o deputado federal Jair Bolsonaro (RJ) dedica à causa feminina. Para o docente, o Dia Internacional da Mulher deve ser também o Dia Internacional Antibolsonaro.

Bolsonaro, que na última quarta-feira se filiou ao PSL para se candidatar a presidente da República, é uma ameaça para qualquer um que luta por mundo com condições igualitárias, segundo Gomes. “Bolsonaro é o pior pesadelo possível para qualquer minoria que lute por respeito e igualdade. Hoje é também o Dia Internacional Antibolsonaro e contra qualquer projeto político baseado em opressão estrutural, desigualdade política e social, e desrespeito”.

Na oportunidade, o professor também criticou os apoiadores de Bolsonaro, e avaliou como uma incoerência defender o deputado/pré-candidato a presidente reacionário e homenagear as mulheres. “Ser bolsonarista de redes sociais digitais e hoje postar fotinhas falando de como ama, respeita e admira as mulheres me parece tão coerente como ser fã de Himmler, Goering ou Heydric e dizer que tem a maior consideração pelos judeus”, finalizou.

Textos Relacionados
Deixe seu recado