Alice lê na Câmara parecer sobre ilegalidades da PEC da Previdência  

A deputada Alice Portugal (PCdoB/BA) usou a tribuna da Câmara, nesta quinta-feira (06/06), para divulgar a nota técnica da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão que integra o Ministério Público Federal (MPF), que destaca a inconstitucionalidade da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da reforma da previdência do governo Bolsonaro.

“A Procuradoria é taxativa ao afirmar a inconstitucionalidade da PEC 6. Eu espero que esta Casa não se dobre a uma matéria que pretende “salvar” a economia do Brasil, mas, na verdade, a exemplo do Chile, poderá levar milhões de brasileiros a extrema pobreza, ao desalento e à falta de perspectiva futura na manutenção das suas vidas e das vidas de seus familiares”, afirmou a deputada.

De acordo com o órgão, o estabelecimento de um novo regime com base em um modelo de capitalização altera o princípio da solidariedade estabelecido como núcleo central da Constituição Federal de 1988. Além disso, a proposta retira do âmbito constitucional o tratamento de questões relativas à Previdência, visto que aspectos como rol de benefícios e beneficiários, idade mínima, tempo de contribuição, regras de cálculo dos benefícios, tempo de duração da pensão por morte e condições para acumulação de benefícios, por exemplo, passarão a ser disciplinados por lei complementar.

Na nota técnica, o órgão do MPF ressalta que a Constituição de 1988 traz normas que traduzem políticas públicas tendentes a superar a desigualdade histórica que marca a sociedade brasileira. O dispositivo que mais densifica esse princípio é o artigo 195, segundo o qual a seguridade social será financiada por toda a sociedade.

“A ideia da capitalização proposta pela reforma da previdência – comumente chamada de ‘poupança individual’ – é a do máximo egoísmo, em que cada qual orienta o seu destino a partir de si, exclusivamente. Nada mais incompatível, portanto, com o princípio regulativo da sociedade brasileira, inscrito no art. 3º da Constituição Federal, que é o da solidariedade”, critica a PFDC na nota.

O levantamento da Procuradoria narra a experiência de ao menos 30 países que, entre 1981 a 2014, privatizaram total ou parcialmente seus sistemas previdenciários. De acordo com o estudo, a grande maioria dessas nações se afastou da privatização após a crise financeira global de 2008, quando as falhas do sistema de previdência privada tornaram-se evidentes e tiveram que ser corrigidas.

 

Fonte: PCdoB na Câmara

Textos Relacionados
Deixe seu recado