Fernando Haddad: Economia

Passado já um ano da eleição, é patente a ausência de formuladores de política na atual equipe econômica.

Em 1998, diante da crise cambial brasileira, o FMI, em troca de um empréstimo de US$ 41,5 bilhões, impôs ao país uma mudança drástica da política econômica então vigente, qual seja, a adoção do chamado tripé macroeconômico: câmbio flutuante, superávit primário e meta de inflação.

De lá para cá, cada governante lidou com esse tripé a sua maneira. FHC gerou superávit pelo aumento da carga tributária, mas não logrou cumprir as metas de inflação. Lula procurou compensar a valorização do real, acumulando reservas cambiais. Dilma, diante da perspectiva de desaceleração econômica, enfraqueceu a base fiscal.

Em 2015, uma tempestade perfeita promoveu o colapso da economia.

Em primeiro lugar, cumpre notar o desacerto da agenda adotada para estimular a economia. Fortemente influenciadas pela Fiesp, as desonerações fiscais, o Supersimples, a campanha pela redução artificial dos custos de energia etc. revelaram-se equivocadas.

Em segundo lugar, vale relembrar a atitude do PSDB, lapidarmente descrita por Tasso Jereissati: “o partido cometeu um conjunto de erros memoráveis —em primeiro lugar, foi questionar o resultado eleitoral, no dia seguinte (das eleições de 2014); o segundo erro foi votar contra princípios básicos nossos, sobretudo na economia, só para ser contra o PT”.

Por fim, um fato sempre negligenciado pela imprensa tradicional. A destruição, pela Lava Jato, de cadeias produtivas inteiras. A experiência internacional deveria ter servido de guia para lidar com grandes empresas dirigidas por gente corrupta ou imoral.

Veio o golpe parlamentar de 2016, hoje admitido por Michel Temer (“eu jamais apoiei ou fiz empenho pelo golpe”), Rodrigo Maia (“é óbvio que o Michel Temer operou o processo de impeachment da Dilma”) e Aloysio Nunes (“Lava Jato manipulou impeachment de Dilma”).

Desde então, as únicas medidas tomadas, ainda por Temer, foram o teto de gastos e as reformas trabalhista e previdenciária.

Em 2003, a essa altura, o governo já gestava uma consistente pauta de inovações institucionais, que passava pela Lei das PPPs, Prouni, Bolsa Família, valorização do salário mínimo, crédito consignado, patrimônio de afetação etc., que nos permitiu crescer a uma taxa duas vezes maior do que a média do período anterior.

Hoje, temos um governo desastroso em várias áreas —política externa, meio ambiente, ciência e tecnologia, educação etc.—, que pode comprometer a recuperação e nos condenar, por anos, a um desempenho econômico medíocre.
Fernando Haddad é professor universitário, ex-ministro da Educação (governos Lula e Dilma) e ex-prefeito de São Paulo.

Textos Relacionados
Deixe seu recado