Diva Santana sobre revelações de documento da ditadura: “Vergonhoso”

A integrante do Grupo Tortura Nunca Mais na Bahia, Diva Santana, se manifestou sobre o memorando dos Estados Unidos, divulgando recentemente, que revelou que o general Ernesto Geisel sabia e autorizava a execução sumária de opositores durante a ditadura militar. Para Diva, que também é irmã de uma vítima da ditadura, a guerrilheira Dinaelza, o documento secreto da CIA é ‘vergonhoso’.

“Vergonhoso porque trata-se de fatos documentados que estavam no país de origem de tanta repressão ao povo brasileiro, os Estados Unidos, enquanto as gavetas e arquivos dos militares brasileiros continuam acobertados pelo sistema”, afirmou Diva Santana. Ela ainda explicou que a informação revelada “não satisfaz às nossas perguntas”.

Segundo Diva Santana, as principais perguntas que os familiares de mortos e desaparecidos da ditadura querem saber são: Quais as circunstâncias das mortes? Onde foram sepultados os corpos? Para ela, as perguntas não foram reveladas nem pela Comissão Nacional da Verdade, e continuarão sendo feitas pelas famílias, incansavelmente, até verem cessar a impunidade.

A resistência do Estado brasileiro em revelar e investigar as reais circunstâncias dos assassinatos, apesar dos vários indícios revelados em estudos, tem causado nos familiares a sensação de que estão sendo enganados, de acordo com Diva. No caso de Dinaelza, por exemplo, que atuou na Guerrilha do Araguaia, há informações sobre os mandantes e assassinos em livros, como ‘Mata’, do jornalista Leonencio Nossa.

“Continuamos sendo enganadas da forma mais vil e desrespeitosa enquanto cidadãos e cidadãs que pagam altos impostos até para sustentar e promover boa vida a assassinos nazistas em nosso país que torturaram, cortaram cabeças sabidamente de pessoas ainda com vida, furaram olhos, enfim, as forças armadas brasileiras utilizaram da mão de obra de primeira e das piores formas para se matar”, concluiu.

Textos Relacionados
Deixe seu recado